quinta-feira, 30 de junho de 2011

poema das outras janelas


as janelas são assim. umas vezes. voo azul. reflexos. jogos. olhares. livros lidos. por dentro sonhos. bilhetes de viagem. diário. folha de notas. espelho escrito. selo de correio. às vezes. janelas. apenas

quarta-feira, 29 de junho de 2011

livro - "mãos verdadeiras"

Para Todos, a notícia e o CONVITE.
Aos AMIGOS que no dia 23 de Julho estiverem perto da nossa Lisboa: espero que possam juntar-se aos demais amigos, para a todos rever e abraçar em alegres momentos de convívio e de poesia.
Ou no dia seguinte, 24 de Julho, em Manteigas! Todos serão bem recebidos com o coração nas mãos, ao bom estilo serrano.
Até breve! Até Lisboa! Até Manteigas!
 

terça-feira, 28 de junho de 2011

SALA DE VISITAS 9


quisera voltar a esse tempo
em que lias e lias os postais
que te enviava ou as mensagens
espalhadas sobre as mesas
mesmo que escritas com o pó
dos tempos. agora já não há pó
foi limpo das mesas e das vidas
tempo esterilizado. interrompido
aqui e ali por bruscos safanões
que não aceleram o relógio.

suspeito que é assim que
as mãos envelhecem. algumas
tristes definham outras acabam
por morrer. como as plantas
não regadas pelas gotas de água 
nem pelos minutos
de espera noite fora.


Pintura a óleo de Mateus Costa                                  

sábado, 25 de junho de 2011

OS SONS DA ARTE E DO SILÊNCIO 18

        
                                      Escultura de João S Martins                                Escultura de Eduardo Martins


                      ... os sons do silêncio em diálogo quando o coração fala nas mãos

sexta-feira, 24 de junho de 2011

American Woodcarving School




















           
       Americam Woodcarving School - onde as mãos aprendem a conhecer a madeira
                   
American Woodcarving School - 21 Pompton Plains Crossroad - Wayne, NJ 07470
                         (973) 835-8555 | 800-779-4322 jerryc@americanwoodcarving.com                                                   www.americanwoodcarving.com

sábado, 18 de junho de 2011

a última carta


A última carta não existe, nunca uma carta será a última, porque antes, depois e para além dela, há muitas outras que não foram escritas, muitas que nem serão escritas, mas que, de forma silenciosa e interior, terão sido pensadas, “redigidas no pensamento”, para além de outras que a mente, sem as ditar para o papel, guardará.

“Escreve-me uma carta como prenda de anos (ou seja qual for o pretexto) uma carta daquelas que já tenho muitas saudades de ler. Depois, se for capaz, vou responder". Assim, também as “cartas resposta” não têm fim. Há tantas respostas, também elas ditadas na mente e no coração...

E as cartas que nunca foram escritas, que segredos guardarão?

As ondas do fado 6


" ... e por detrás da cortina cria as ondas de um  fado que embala e é vento a soprar os panos da barca. Se a esperança tem a cor da meta a alcançar, também o sol poderá ser verde-esperança. As mãos, essas, continuarão a ser as mãos das ondas do fado ... "

quinta-feira, 16 de junho de 2011

poema bordado


menino desdobra o sonho
bordadeira estica a linha
branco torçal tricotado
enrola menina a lã
tear de nós e de fios,
fura a agulha, borda e tece
cartas, novelos, e à noite:
avozinha só mais uma
mãos enroladas nas horas
desfia os dias, os lenços,
o xaile, o véu das saudades
junta-lhe esperanças, viagens
de vai e vem sem parar
o coração bate, salta,
fala, escreve e manda beijos.
bordadeira canta e conta
as estrelas e amanhã,
na partida ou no regresso,
entrelaça-me em teu sonho.
              
                 Toalha de linho bordada pela minha mãe Julieta Saraiva

terça-feira, 14 de junho de 2011

SALA DE VISITAS 8 - recado para ti em lisboa


         
          traz-me um livro que eu lerei
só para nós

dá-me um livro que
eu não o lerei a sós
antes prefiro o enleio
de o ler na tua voz!

conta um conto que eu não conto
sobre nós

histórias ponto por ponto
se tu as lês eu não falo
e o meu silêncio embalo
no bailar da tua voz.

   
Aguarela de Fernando Silva         

domingo, 12 de junho de 2011

faça-se a luz! ...

         
           ... a luz e a palavra. e foi um novo dia! 

(Escultura de João Martins)

quinta-feira, 9 de junho de 2011

poema Portugal








Portugal é aqui e ali e mais além
o Portugal que fica ao lado da janela
do outro lado da rua do jardim do mar
do sol que cruza a porta entreaberta

tendo por fundo um retrato uma pintura
onde desse lado Portugal se mostra
no prato de barro ou recheado sobre a mesa
de cristal num bordado ou numa taça cheia

de palavras verdes plantadas num canteiro
num verso so-le-tra-do-de-sau-da-de
pas-so a pas-so de dança ou romaria
das senhoras da graça e da alegria

do Portugal que é mais que um sentimento
mais que um poema rimado ou o desejo
de ser um mar de gente ou um país. será
é já uma vela de futuro acesa ao vento

terça-feira, 7 de junho de 2011

As ondas do fado 5


            Que sejam as mãos a falar
            e a construir as ondas do fado...










      enquanto, em gestos simples, outras mãos 
se entregam à madeira,
fazendo florir as mãos e as ondas!


(nova etapa da escultura  "As ondas do Fado" dedicada à mão direita que dedilha as cordas)

domingo, 5 de junho de 2011

livro "mãos verdadeiras"


  2005 - Os poemas que em Novembro se juntaram sob o nome "cantos das estações e da viagem" convidaram novos escritos e reunem-se de novo 2011, agora sob uma denominação que melhor os definirá - "mãos verdadeiras " - e se ajustará à intenção inicial: homenagear o Pai e o Artista Eduardo Martins, autêntico "espelho da poesia das mãos".


Prevista a sua edição em Portugal, no mês de Julho, pela Editora Temas Originais