quinta-feira, 19 de junho de 2014

os silêncios do silêncio

por onde ele anda o silêncio
não adivinhamos não sabemos
ao certo qual o melhor caminho
das gerações uma após outra e outra

fala do saber tão ignorado
da arte das mãos e dos silêncios
pois o carinho sei onde ele se aninha
nem que se esconda no longe mais longe

calemos os silêncios do silêncio
ouçamos as palavras da palavra
sentida no coração que bate bate
e doi também nessa batida ausente

ontem nos rimos e agora tentamos
a rima que nem sempre bate certo
usamos o metro nos versos na madeira
com que construímos a mesa que nos fala

e é poema continuado a fazer a roda...

terça-feira, 17 de junho de 2014

A pele - Cronologia em vários tons


Segunda feira.
Levanta-se, estica braços e pernas. Despiu-se. Gostava de começar assim o dia. E a semana. Pijama fora. Corpo ao léu. Em frente ao espelho, admirava-o, admirava-se, enquanto a água temperava no chuveiro...

     - já estás?

não respondeu, simplesmente não escutara.

As mãos percorriam o corpo, mansamente, sem preocupações de tempo, devagar... suavemente

     - demoras muito?

já a toalha actuava como uma segunda massagem, um pouco mais vigorosa, depois do sabão líquido e perfumado, dos óleos...

Rapidamente enfiou meias, calças, camisa, casaco. Sapatos a condizer. Engoliu o café e as vitaminas...

     - que belo efeito retemperador...

     - ... até logo. Um bom dia!

Hora de virar a página. E sintonizar a estação de rádio favorita.

Conduziu instintivamente. O automóvel reconhecia a rotina. Dois telefonemas para ajustar a voz. O humor. A atitude.

Entrou. Olhou à volta. Os rostos e as feições pareciam diferentes. Estaria ainda sob o efeito do final de semana?! A luz das lâmpadas fluorescentes alterara as cores do rosto. Seria por pouco tempo. Esperava sair e deixar que o sol acompanhasse o ritmo do trabalho.

Foram longas as horas da manhã. Cheias. De entrega.

Uma fruta ligeira e um sumo natural (saudável, lhe disseram, tonificante).

Uma tarde de encontros. Novos rostos. Conversas formais. Outros temas. Reajustar as feições e o sorriso. Os sonhos de agora. Os de logo!

O dia esvai-se. No regresso...

     - estarei em casa para jantar em poucos minutos.

Abriu a porta. Um beijo.

     - ...olá.

Em movimento inverso, despiu o casaco, camisa, calças, meias. Novamente frente ao espelho. Admirou-se. Tomou um banho retemperador: sabão, cremes, óleos, toalha... pijama. Sentia-se com outra vida.

Chegara a hora de trocar de pele uma vez mais, vestir talvez a mais antiga. Pele de entrega. Quente. Macia.

A mais verdadeira.

domingo, 15 de junho de 2014

Amanhã também é dia do Pai e da Mãe



pianíssimo

a misteriosa invisibilidade do vento
é como um prelúdio de debussy
corre o piano entre os dedos
e nele os olhos divisam um véu ténue
afago em delicados gestos únicos
frases soam translúcidas suspensas
na adivinhada voluptuosidade das cortinas
sopradas nesta brisa interior invisível
pensamento decantado subtil
jogo de encantamento “da capo”
há cascatas condensadas
na pele a água corre em sintonia
deixando vogar um tilintar em crescendo
múltiplo compasso binário prolongado
nos gestos saídos das linhas paralelas
da sinfonia viva que acontece
no despertar de uma nota só

terça-feira, 10 de junho de 2014

da liberdade o poema...


tragam as letras palavras
os versos que ninguém tema
livros livres e as canções
da liberdade o poema ...

domingo, 8 de junho de 2014

Mãos, Livros, Amigos - 5 de Junho

A todos os amigos que têm passado no 76 da Ferry Street ...
Aos muitos amigos que continuarão a visitar a exposição "Mãos Livres - Mãos Livros" o meu sincero OBRIGADO !


A exposição continuará até final de Junho, das 9.30 até às 5.00, de 2ª a 6ª e sábados de manhã.

terça-feira, 3 de junho de 2014

segunda-feira, 2 de junho de 2014